quarta-feira, maio 31, 2006

Antologia

Não sei. Falta-me um sentido, um tacto

Para a vida, para o amor, para a glória...

Para que serve qualquer história,

Ou qualquer facto?



Estou só, só como ninguém ainda esteve,

Oco dentro de mim, sem depois nem antes.

Parece que passam sem ver-me os instantes

Mas passam sem que o seu passo seja leve.



Começo a ler, mas cansa-me o que ainda não li.

Quero pensar, mas dói-me o que irei concluir.

O sonho pesa-me antes de o ter. Sentir

É tudo uma coisa como qualquer coisa que já vi.




Não ser nada, ser uma figura de romance,

Sem vida, sem morte material, uma idéia,

Qualquer coisa que nada tornasse útil ou feia,

Uma sombra num chão irreal, um sonho num transe.




Álvaro de Campos





8 comentários:

Bem Me Queres disse...

Adorei ter falado contigo hoje. Espero em breve ter a oportunidade de te conhecer pessoalmente.
Bjs docinhos
Cláudia

kitty disse...

Muito bonito...
Infelizmente muito verdadeiro!
Beijinho

Alexandra disse...

Mas q poética q tu estás!!!
Acho q compreendo o q queres transmitir com este poema...Por isso, força amiga!
Beijinhos grandes
Alexandra

Lita disse...

Obrigado pela visita.
O poema é muito bonito, mas achei também engraçada a descrição do tua aventura para fazer a histeroscopia. A minha não foi tão engraçada!! Em que hospital andas?
Espero voltar a "falar" contigo.
Beijinhos grandes

Raquel disse...

:)
Bjs grandes,
Raquel

Ana Isabel disse...

Toca a animar, miga!!!
Beijinhos docinhos!!!

cris disse...

Apesar de o poema ser lindo, não te quero assim depré ouvi minha linda!!!! Toca a sorrir e a ler coisas mais alegres!!! Estamos entendidas menina!?!?!
Beijocas grandes

Tânia disse...

Vim aqui deixar um beijinho do dia da criança.