segunda-feira, janeiro 19, 2009

Felicidade!?

Como sabem eu por cá sou um bocado avessa a correntes, desafios e coisas afins. Mas com este desafio me foi proposto por esta amiga não podia recusar, por isso aqui vai a minha perspectiva de felicidade ou falta dela.

Humanista por vocação, mas rendida à objectividade dos números. O encontro com a palavra é para mim por demais importante. Uma palavra pode começar uma guerra e uma palavra pode terminá-la, tão grande é o seu poder. É com grande paixão de destrinço conteúdos e significados de palavras e por isso mesmo, ler é para mim o mais básico dos amores.

Contudo, existem palavras cujo significado não é de todo objectivo, palavras de significado abstracto, ou seja não existe uma definição objectiva para essas mesmas palavras. A palavra felicidade é uma delas, e talvez por isso umas palavra dificil de definir.

Em primeiro lugar, temos de ver se a felicidade é um acto ou um estado de espirito. Como acto, significa que realizamos algo que poderá ou não tornar o estado de espirito de alguém feliz. Como estado de espirito poderá significar se somos ou não felizes...

Complicado?!

Claro que sim!

A felicidade, do meu ponto de vista é como uma Árvore de Natal. De per si não tem nada de extraordinário, é apenas uma árvore. Com os pequenos enfeites que lhe vamos colocando, poderá tornar-se numa coisa maravilhosa.

Ao longo da vida, vamos coleccionando eventos, com os quais vamos construindo a nossa Árvore de Natal. É claro que nem todos os acontecimentos que se cruzam na nossa vida serão bons ou proporcionadores de estado de felicidade. O que interessa é o saldo final. Se somarmos mais eventos felizes, então poderemos ser felizes. Se somarmos mais eventos infelizes então seremos menos felizes.

Reparem aqui, que não utilizo a palavra infeliz, não porque desconheça a sua existência, mas sim porque acho que assim como ninguém é verdadeiramente feliz, também ninguém é verdadeiramente infeliz, porque existirão sempre alguns momentos bons ainda que parcos na vida de uma pessoa.

Então e não há ninguém verdadeiramente feliz? Evidentemente! Não por não termos até uma boa vida, mas porque quanto mais temos, mais queremos e mais desiludidos nos sentimos por não atingirmos este e aquele objectivo, por mais mesquinho que ele seja. Trata-se como diz a Anna, de uma questão de fasquia alta demais, é mais ou menos como a busca da mulher/homem ideal.

Se sou feliz?

Depende dos dias. Há dias em que o brilho no olhar não deixa margem para dúvidas, outros porém, parece que o peso do mundo caíu sobre as minhas costas.

No geral?

Sim sou feliz! Tenho ao meu lado todos os que me amam e eu amo, tenho saúde e os meus filhos também, tenho emprego e ganho benzinho, tenho uma vida confortável...

Claro que poderia ser riquissima, badaladíssima, e ser casada com o Brad Pitt, mas será que seria mais feliz por isso??

Beijos a todas

PS. O desafio vai para todas que quiserem meditar sobre o tema, mas gostava de o ver abordado pela: Nina, Maganita, Bem me queres, Susana Pina, Alexandra e Grilinha

10 comentários:

Anna72 disse...

Obrigada por responderes ao desafio. Eu sabia que só podia ser uma resposta brilhante ;)

Concordo inteiramente contigo.

Beijocas

Nina disse...

Resposta brilhante, sim...de ti não poderia ser diferente, mas e eu..como é que eu fico agora?! Lá terei que deixar a boubelita de lado...ou não;)
xi gde aos 4*2

Angela disse...

Boa abordagem à questão, que é totalmente subjectiva, mas concordo 100% contigo.
Beijocas

Grilinha disse...

Este desafio é giro. Mas receio escrever muitas coisas parecidas com as tuas (ainda por cima porque arranjaste uma analogia girissima) Percebi que temos muita coisa em comum nesse ponto de vista (mesmo que com vidas tão diferentes). Em breve respondo !!

Beijocas

Sónia e MI disse...

:))))
Tenho vindo a ler vários posts sobre este tema, gostei de ler cada um deles.
E por falar em felicidade,estou feliz por estar de regresso.

Beijo muito,muiiiitooo grande!

CS disse...

É um desafio inteligente com resposta inteligente.

Um beijinho

Pi disse...

Lindo!!!
Feliz 20009.
Bjs

Susana Pina disse...

Bemmmmmm!!! Grande Psicóloga!!! Um Part-Time nesta área não era de desperdiçar amiga, tens que pensar nisso...hihihi...
Estou completamente de acordo contigo. Acho que de todos os momentos felizes ou menos felizes da nossa vida se deve tirar algo de positivo e a partir daí avaliar o conceito de felicidade. Por exemplo, no meu caso, o facto de me sentir menos feliz por não conseguir engravidar, deu-me uma experiência enorme na área da medicina, trouxe-me pessoas maravilhosas que conheci, fez-me mais madura, e isso deixa-me feliz. Este é só um exemplo de como podemos ser felizes com algo que à primeira impressão é de infelicidade.
Beijocas para ti, grande amiga.
Susana

Dalila disse...

Adorei seu conceito de felicidade: uma árvore de natal! muito belo!

um grande beijo!

CS disse...

Ia jurar que te tinha dito, como notaste?

Escaparam-se-me algumas pessoas com a perda dos links... na volta...

Não te ponho a vista em cima à muito!

Beijos