terça-feira, setembro 05, 2006

Ontem foi dia de ir ver os Pipis!

Como é evidente, e acho que será mais do que normal, a ansiedade toma conta de nós nos dias anteriores. Se uma grávida dita "normal" tem ansiedades, nós, as futuras mães dos denominados "bébés de ouro", temos ansiedades a dobrar. Isto não é à toa claro, é fruto de tudo o que passamos para chegarmos a este frágil estado da nossa existência, é o receio de que a qualquer momento essa mesma fragilidade se revele e tenhamos de começar a construir o castelo de cartas outra vez. Acredito que temos receio de tudo.

Vários são os pensamento que nos povoam a nossa cabeça às vésperas de mais uma ecografia. Acredito que não somos todas iguais, que umas terão mais confiança do que as outras, mas também acredito que quem vive a experiência da infertilidade não encara, nem encarará algum dia mais, a experiência da maternidade de ânimo leve. Não quero com isto dizer que as outras ditas mulheres "normais" o façam, longe de mim, quero é dizer que nós provavelmente sentiremos as coisas de uma forma mais intensa, e tenho a certeza que em qualquer altura das nossas vidas, mesmo depois de nascerem os nossos filhos, quando ouvirmos uma história de um casal com problemas de infertilidade, ficaremos arrepiadas e seremos de imediato solidárias com essa ou essas pessoas.

Quando comecei a frequentar a blogosfera era descrente. Conhecia algumas pessoas, com vários ttt realizados e todos falhados. A minha crença na Medicina de Reprodução era muito limitada e por isso foi importante acompanhar todas as vitórias e derrotas vividas durantes estes meses, verifiquei que não existiam só ttt falhados, e histórias mal resolvidas. Vi que era possível acontecer e que os positivos, apesar de não serem ainda superiores aos negativos, têm vindo a aumentar, o que é de facto uma coisa boa. Vi sobretudo que as vitórias são importantes para insuflar a confiança naquelas que aos poucos vão perdendo as esperanças, e em certos casos isso é muito importante.

Assisti com incapacidade mórbida a alguns insucessos repetidos, e a algumas vitórias retumbantes. Compreendi que em grande parte dos casos a parte psicológica da questão tem uma importância fulcral, e essa é, de todas as variáveis a que acredito que acaba por fazer diferença entre o sucesso e o insucesso. Acredito que o acompanhamento psicológico desta questão é fundamental.

Agora adiante! Vou contar-vos como correu a a ecografia das 8 semanas e 3 dias dos Pipis. Correu bem, eles estão uns super bébés! Um tem 19,10 mm e o outro 18,80 mm, já se tornam mais nitidos na eco. E aquilo que vimos como um sendo só um coração a bater dentro de um saco, agora já se nota a cabecinha tipo girino. As placentas estão bem definidas e ao que parece muito bem. Aquele que era mais pequenino evoluiu para o tamanho aproximado do outro, e ao que parece implantaram-se no mesmíssimo dia, ou com diferença de 1 dia.

O médico, o da infertilidade, o que nos vai acompanhar até ao nascimento (assim espero), achou que estávamos muito bem. Já trouxe uma quantidade de análises para fazer e já tenho a eco do primeiro trimestre marcada para 2 de Outubro.

Os enjoos não dão tréguas, o cansaço também não, por vezes sinto-me num estado deplorável, mas é natural os 2 Pipis estão a precisar de toda a energia da mãe para a sua formação, e eu espero que eles a aproveitem bem aproveitadinha, que eu cá me vou aguentando. Agora, já lhes prometi uma semana de castigo para quando nascerem... Isto lá é coisa que se faça??!!?

Beijos a todas

13 comentários:

Norita disse...

Concordo com tudo o que tu dizes acerca dos receios nas mães "normais" e nas mães que passam por processos de infertilidade, claro que nunca passei nem por uma situação nem por outra, mas pelo que tenho acompanhado e pela luta que se trava é natural que tenhamos receio redobrados.
Quanto aos Pipis fiquei feliz por estar tudo bem com eles, quanto à semana de castigo depois deles nascerem, acredito que te esqueças dela quando os tiveres nos teus braços :)
Beijinhos grandes e que continue tudo a correr bem.

kitty disse...

Parabéns (outra vez)!
:)
Fico muito feliz por estar tudo bem!
Quanto à ansiedade, faz parte das nossas vidas, né?
Beijinho grande

Tiquinha disse...

São naturais esses teus receios e com fundameto... mas não assusta os meus sobrinhos virtuais!! Vai correr tudo bem, e num tarda nada tens ai esses dois pestinhas!
Beijocas
tica

Avozinha disse...

Tocante o teu comentário sobre a infertilidade. Compreendo-o bem, depois de ter acompanhado (apenas) um ano da minha filha nas consultas e tratamentos de infertilidade, felizmente bem sucedidas.
Parabéns pelos bebés!

cris disse...

Bom, agora só me falta acertar no sexo dos meus amigos bonitões. Não te vou dizer, só disse a tica. Vamos lá ver se acerto.
Beijocas

Alexandra disse...

Adorei! Mais uma vez um relato muito bem escrito! Quero mesmo o teu testemunho para o site da API, ouviste?
Beijinhos grandes
Alexandra

Lita disse...

Bom dia
Concordo plenamente com o facto de só avaliar-mos e compreender-mos devidamente as situações de infertilidade quando passamos por elas. Trabalho num hospital e já me cruzei com casais com infertilidade e nunca dei valor à dor deles até passar pela mesma dor.
Quanto aos Pipis estão a crescer muito bem e de certeza que, a semana de castigo vai ficar adiada para quando começarem a fazer asneiritas, fora da barriga da mãe!!
Muita felicidades e beijinhos aos Pipis e à mamã.

carla disse...

Olá amiga,
Fico sempre embebecida pelos teus textos. Tu és uma pessoa com quem tenho aprendido muito e com quem espero a continuar a aprender.
Vais ver que os teus Pipis vão trazer ainda mais felicidade à tua vida.
Muitos beijinhos cheios de carinho e um grande e fofinho xi-coração.
Carla

Nany disse...

Não não é coisa que se faça, ainda nem os ´miúdos nasceram e já têm castigo promeitos, ao a menina....
Que bom que eles se estão a desenvolver bem, vais ver que na próxima eco vais sair de lá completamente babada com os teus Pipis, a velocidade que eles crescem nestes primeiros meses é absolutamente assombrosa.
Sabes que ao ler o teu post não posso deixar de concordar com tudo, por mais ou menos tratamentos que se façam, por mais ou menos anos que se espere, os bebés fruto de uma luta tão grande são mesmo de ouro. Não digo que os outros não sejam, mas estes são de certa forma especiais, e cada um deles é uma vitória contra uma natureza que tantas vezes nos prega partidas. Uma vez ouvi dizer que uma vez infertil, sempre infertil, e é verdade. A dor porque se passa torna-nos mais próximos daqueles que estão a lutar pelo mesmo, não importa o número de filhos que tenhamos.
Bjs gandes para ti e para os Pipis e esquece lá a semanita de castigo, sim, pleeeeeaaaaasssseeee?

Barriguita disse...

que bom que está tudo bem... com enjoo, menos enjoo, aposto que o que te interessa mesmo é a certeza que estão bem. E o poensamento positivo ajuda tanto.
beijinhos e felicidades

Ana disse...

Beijocas ENORMES :*****

YAMI disse...

Ola

Compreendo-te em tudo - como deves
imaginar.Tal como tu, tive vomitos do pior..e de facto os sintomas é tudo a dobrar!!

Mas ao final da gravidez quando os tiveres nos braços - vais ver só a alegria..fantastico!!

força linda

yami

Nina disse...

:)
Vim ver como estavas e como estavam os teus pipis. Graças a Deus estão bem:)
Depois do que li, permite-me que deixe aqui uma pequena reflexão.
Não faço a mínima ideia se ao longo de todos estes anos que quero ser mãe passei por momentos de infertilidade...a vida não me permitiu que o pudesse constatar...talvez sim, talvez não. Nunca saberei.
O que é certo é que um dia engravidei e ando nesta viagem há 5 meses, viagem pela qual luto desde muita tenra idade, dado que tenho 36 anos.
Como disse, nunca saberei se foi o destino que quis que eu não fosse mãe mais cedo, se o meu corpo...a minha mente não, certamente.
Compreendo que para mulheres de luta, como tu, que passaram por momentos indescritíveis de aflição, medo, descrença, crença e muita fé, um filho é realmente de ouro. Mas não posso concordar que um filho não o seja igualmente para mulheres que, como eu, viveram anos para concretizar este sonho, mesmo sem ter passado por fivs ou tts:), ou para outras que, não tendo passado pelo vosso sofrimento ou pelo que eu passei, vivam na esperança de, um dia, o serem.
Acredita que, desde que me encontro neste mundo da blogosfera, estou mt mais ligada emocionalmente a pessoas que, tal como tu, enfrentam duras batalhas, algumas durante anos, para serem mães.
Na verdade, não fazia a mínima ideia de que havia tantas mulheres nesta guerra e que havia tanto sofrimento por detrás de tudo isto.
Tenho por vós uma admiração sem limites e, por todas aquelas por quem rezo, muito mais do que admiração.
Queria, apenas, dizer-te que um filho é uma benção ou um bebé de ouro para qualquer mãe que tenha um M grande:)
Desculpa a invasão.
Talvez não devesse ter comentado, mas senti que te devia dizer que, para mim, que aguardo este filho há tantos anos e a quem procurei, entre choros e muitas vezes humilhações, este bebé também é de ouro:)
Muitos beijinhos e desejo-te toda a sorte do mundo...a mesma que desejo para mim