segunda-feira, maio 18, 2009

Ainda a propósito de...

Estava eu "quieta e mansa", no meio da papelada e de umas quantas pragas mentais que ia rogando, quando fui interrompida por um dos meus colegas.

- Olha lá, estão ali uma pessoas para ti...

- Para mim, que querem?

- Não sei disseram-lhes para vir falar contigo...

- Disseste que eu estava?

- Disse...

- Bolas!

Mais umas asneiradas mentais, e lá me dirijo aos meus interlocutores, que eram (a saber), um casal jovem (na casa dos vinte e poucos), e uma senhora com mais idade, que depreendi logo ser mãe de um dos jovens.

- Queriam falar comigo?

A senhora mais idosa toma a palavra e pergunta:

- Olhe menina, por acaso não estão a precisar de pessoal?

De repente aquela pareceu-me uma pergunta armadilhada, e pensei, lá vem mais uma pedir os carimbos, ao menos esta pergunta se não é preciso pessoal*.

- Bem, neste momento não estamos a admitir ninguém, mas...

Ao que ela interrompe prontamente e me diz:

- Não era para mim menina, era aqui para a minha nora, que trabalhava neste ramo e ficou sem emprego, e eles (dirigindo-se ao casal), têm a casa para pagar, e eu vim cá com eles para ver se não precisam de ninguém.

Fiquei estupefacta, mas adiante. Recompus-me rapidamente e interpelei a nora candidata.

- Então e a menina trouxe um Curriculum...

- Não.

- Ah, bem é que era capaz de ser interesante, depois se quiser cá passar para deixar, qualquer coisa e eu chamo.

- Está bem eu deixo.

- Certo então, continuação de boa tarde e boa sorte.

Quando sairam lá vociferei, para os outros:

- Vocês viram-me esta??!! Quer vir trabalhar para um estabelecimento para fazer atendimento ao público e vem a sogra pedir? Isto não é normal! Quando chegasse um cliente ela fazia o quê, fugia lá para dentro e tinha de vir eu atendê-lo? Mas que juventude é esta?! Que é isto?!

Bem a rapariga nem o Curriculum veio deixar, por isso ou é mesmo lerdinha ou simplesmente é como a maior parte das dos carimbos, quer é o carimbo e dormir até ás 11.

* Não sei se sabem, mas hoje em dia os desempregados têm de fazer uma coisa que se chama de procura activa de trabalho, pelo que têm de apresentar umas folhas carimbadas e preenchidas pelas empresas para demonstrar nos centros de emprego que até andam à procura de trabalho, só que até nem têm sorte nenhuma e não encontram.

Alguns não terão. Mas a maioria dessas pessoas, vêm às empresas e não perguntam se temos trabalho, perguntam se podemos carimbar a folha. Geralmente carimbo, porque eu até nem sou a salvadora da pátria.

Agora isto para dizer que jovens são estes que formamos, que as sogras/mães, têm de vir com eles pedir empregos... Falam por eles, como se eles não tivessem voz. Isto para dizer que sim. Que até podia arranjar uns meses de trabalho para aquela rapariga, se tivesse vindo ela, sózinha fazer a abordagem, de forma profissional, porque até tenho uma pessoa a gozar licença de maternidade e tenho andado doida (eu própria), a trabalhar como uma maluca, porque tenho menos uma pessoa.

Em adenda ao post anterior, gostaria de dizer que não sou contra os infantários. De forma alguma. São uma necessidade e têm como tudo coisas boas e más. Nem todos podem deixar os filhos com os avós, nem todos querem, e nem tudo é um mar de rosas quando eles ficam com os avós. E também eu, e o pai deles trabalhamos, e de que maneira. Muitos são os Sábados e Domingos que um de nós está a trabalhar, e que o horário até nem é muito flexível. Mas que tentamos coordenar-nos para que pelo menos um de nós vá buscá-los e ficar com eles. Se um não pode o outro vai. A nossa vida não é diferente da de qualquer um, podemos é ter perspectivas diferentes.

Beijos a todas

14 comentários:

Anokax disse...

é preciso lata....será que a sogra vai lá na hora H dizer como têm de fazeR? lolol
Beijocas

mumdream disse...

Bem, como compreendo o que dizes sobre os "carimbos", passo pelo mesmo cá na empresa. Então sogras e mães a pedirem empregos para os filhinhos são ás paletes, porque os "jovens" parece que não sabem falar. A verdade é que muita gente nem sequer sabe o que é um curriculum, lol.
Bjs.

Nina disse...

Protecção em excesso e responsabilidade a menos!
Beijinhos aos 4*2

Nina disse...

Obrigada, amiga! O teu último comentário deixou-me um sorriso...como todos, aliás!:)
Apesar de não comunharmos de todas as ideias, o que seria um gde aborrecimento, gosto muito de ti!:):)
P.S: A adenda ao post anterior permitiu compreender o que escreveste sobre os infantários (devo ter lido mal, no meio da pressa). De facto, há muito quem os despeje porque têm mais que fazer...como acontece nas escolas. Como sabes, não é o caso do Gui, felizmente. Só não o vou buscar mais cedo porque não posso acordá-lo:)
xi aos 4*2

Anna72 disse...

Passam-se coisas nesse local de trabalho...LOL

Lita disse...

Ao ler a tua hitória, a dada altura pensei, agora ela vai revelar que a sogra falou porque a rapariga era muda... palavra que foi isso que pensei.
É mesmo descabido. Olha eu com a minha mãe a tira colo para ir a uma entrevista de emprego e pior a falar por mim. Por favor onde é que isto já chegou!!!

E mais nem sabia que havia essa coisa dos carimbos. Enfim...

Beijinhos

Nina disse...

A arma era do pai, amiga. Dá para imaginar o sentimento dele neste momento? Não conseguimos.
Vidas que nos levam a pensar.
beijinhos dos 4*2

Anónimo disse...

realmente quando atendesse o publico ía chamar a sogra!!!!!!!!!!!

Que lata!!!!!!!!!!!

Beijocasssss

Barbara sol e lua

Susana Pina disse...

De facto fica muito mal um casal jovem levar a mãe/sogra para pedir o emprego para eles, assim nunca irão encontrar nada, é uma pena.
Quanto aos carimbos, acho que já deviam ter acabado hà muito, porque já todos sabem que o facto de se ir pedir um carimbo a uma empresa não tem necessáriamente que se ter pedido emprego.
Um bj grande
susana

Sem Desistir disse...

Infelizmente, o sistema assim o permite. As pessoas gostam de não fazer nenhum e acomodam-se, até porque em casa, ganham quase, senão o mesmo, que no activo.
O meu marido tem frequentemente casos desses na loja, mas são mais os que lá chegam e pedem logo carimbo, lol. Ele, claramente, não faculta e ainda levam sermão.
Andamos nós a trabalhar para essa cambada andar de costas ao alto...

Carla disse...

Olá minha querida amiga.
Passei aqui para te desejar um óptimo fim de semana.
Beijinhos meus e da Matilde,
Carla

Smas disse...

Não sabia essa dos carimbos.
E, realmente, precisa de alguém para pedir trabalho por ela?! Em que mundo é que nós vivemos?!
Bjs para vocês!

Dalila disse...

Nossos jovens estão cada vez menos preocupados com o mundo, com eles mesmos, com qualquer coisa... imagino como seá daqui a 20 anos...

Anónimo disse...

Pois...
Falo por mim. Recebo 600€ de subsidio de desemprego, todas as entrevistas que vou ofecerem uns miseros 450€. Acha que devo aceitar? E não acordo todos os dias às 11h. Acordo muito mais cedo e para quê? para nada...para ver ofertas de trabalho com ordenados miseraveis. E porque será que quando vou pelo Instituto de emprego candidatar-me a alguma vaga, me sinto uma parasita da sociedade? Não será por pensarem que todos nós dsempregados não queremos trabalhar, que só queremos carimbos e dormir até às 11H?
Haja respeito...porque esta realidade estou a vivê-la pela 1ª. vez na minha vida, depois de 18 anos de trabalho sem colocar sequer uma baixa médica. Isto não é só para si...é para todos.
Cumprimentos.