terça-feira, setembro 09, 2008

Controvérsias

A primeira semana custou, no fim-de-semana, quase que não conseguia sentar-me na sanita, tais eram as dores nos musculos. Pegar nos miúdos era o supremo sacrificio e quando eles me pisavam os doridos musculos um esgar seguido de um "obrigadinho filho(a), estava mesmo a precisar disso". Ontem já correu melhor, até porque fazer exercício em cima dos musculos doridos, ajuda a passar a dor (so I think), e já estou melhorzita.

Soube-me bem, soltar a adrenalina, trautear umas músicas e suarrrr, suar muito. Bem bom!

No entanto, ainda não consegui cortar o cordão umbilical, fico sempre remorseada a pensar neles, e porque não estou com eles... Eles também ao que consta à hora do almoço ouvem chegar um carro e dizem: "Mamã!", e durante o dia lá vão chamando por mim... Coitadinhos.

Tenho andado a ler um pouco de tudo por este nosso pequeno mundo, quando tenho um bocadito ou quando já estou há algumas horas a trabalhar e preciso descansar um pouco, pairo por aí... Tenho seguido na nossa amiga Susana Pina, os posts sobre os custos dos tratamentos de fertilidade, os tempos de espera, e tenho lido os respectivos comentários (alguns infelizes).

Quase todas nós que por cá andamos há algum tempo sabemos a exorbitância dos preços dos tratamentos, e dos medicamentos. Todas nós sabemos que existe um "grande" negócio por detrás da infelicidade de milhares de casais deseperados.

As consultas e tratamentos nos hospitais públicos teimam em não chegar, até porque na maior parte dos casos não há interesse, porque os médicos que fazem nos públicos fazem na privada, e a "coisa" rende mais no privado, ou porque é impossível fazer um maior número de tratamentos com médicos que trabalham só de manhã e de tarde vão para os privados. Os casais, aqueles que têm algum fundo de maneio, lá vão tentando nesta ou naquela clinica, neste ou naquele médico, e fazem 1, 2, 3, ... 15 tratamentos. Alguns têm a sorte de a natureza estar a seu favor e lá conseguem, outros com casos mais complicados, lá vão andando sem que ninguém se ilumine e diga: "Oh pá estes tipos já fizeram N tratamentos sem resultado, vamos a ver porque não resulta!"

É certo que não podemos "meter" todas entidades intervenientes nestes processos no "mesmo saco", até porque a maioria das pessoas que tenha um pouco de interesse e siga alguns fóruns relativos à infertilidade, cedo se apercebe onde estão as clinicas que apresentam resultados e as que não apresentam... É só procurar!

Eu sempre pensei que o ideal seria fazer um tratamento destes num centro público, porque, ali o interesse é nulo. Ou seja, como não pagamos nada (só os medicamentos), não há o interesse do vil metal, ou seja se resulta resulta, se não resulta paga-se o mesmo. Por isso mesmo é que fiz o meu único tratamento num hospital público.

Reconheço que fui uma privilegiada, não só pelo excelente resultado, como também pelo excelente médico que tive a sorte de encontrar no meu caminho e que deu todos os passos comigo. Não foi homem de "empaliar", sempre pôs o preto no branco e eu comecei por onde muitas terminam os tratamentos. Não andei a fazer exames e mais exames, IUUs, IAs, estimulações e outras coisas que tal. Depois das análises hormonais e espermograma, e uma vez que estavam ambos com valores dentro dos normais, fiz uma laparoscopia de diagnóstico (que o meu rico seguro de saúde pagou) e uma vez que não havia nada de muito grave partimos para a FIV, a qual foi denominada teste de fertilização para vermos se os gâmetas fundiam ou não em laboratório, para vermos se poderia existir ou não algum outro problema subjacente. Felizmente não houve e o resultado todos conhecem.

Se nos abstrairmos do preço violento dos tratamentos no privado, e considerarmos que temos a sorte de ir para um público, não podemos ignorar o preço da medicação. Na altura acho que até escrevi algo sobre isso. E temos de considerar que infelizmente muitos são os casais que nem sequer para a medicação têm dinheiro. Existem casais cujos rendimentos são 2 ordenados mínimos mensais, esses casais não podem sequer comprar a medicação.

Antes das férias surgiu-me uma situação dessas. Numa das empresas onde trabalho, os operários não qualificados não são muito bem pagos, rapazes jovens, cujo rendimento mensal ronda os 700 Euros, a mulher também operária, noutra empresa ganha o ordenado mínimo. São jovens, pagam uma casita, e queriam ter filhos... A História todos sabem... Foram encaminhados para o hospital aqui da zona, que por acaso tem serviço de Medicina de Reprodução, e chegaram a marcar o tratamento, protocolo, etc. Só que ninguém lhes disse quanto custaria a medicação, chegaram à farmácia e voltaram para trás porque não tinham dinheiro, as famílias também com parcos rendimentos não tinham para emprestar. Até que o rapaz veio falar comigo e contar-me a situação, para ver se seria posssível conceder-lhe um empréstimo sobre o salário, para ir descontando por mês... Sem entrar em grandes pormenores, lá lhe fiz ver que este poderia ser o primeiro de muitos tratamentos e o primeiro de muitos dinheiros que eles iam precisar (os pobres julgavam que eram favas contadas... Ninguém lhes disse que as percentagens de sucesso são em muito inferiores aos sucessos), mas emprestei-lhe o dinheiro. Felizmente a sorte esteve do lado deles, vão ter uma menina, o dinheiro ele ainda não sabe mas vou oferecê-lo como presente para aquela menina que vai nascer, nunca tive intenção de lho cobrar, mas também não lhe poderia dar outro se esta tentativa não tivesse dado certo... É a vida...

Beijos a todas

20 comentários:

Luciana disse...

Também me considero uma privilegiada, principalmente quando olho para os casos da Cláuvia Vieira e da Susana Pina (cujos bolgs acompanho sempre que posso).
Também tive a sorte de encontrar um santo médico (acho que o mesmo Dr. B, do Hsopital de Gaia), que além de muito competente, punha as ilusões de lado e fazia-nos ver a vida como ela é.
A 1ª FIV falhou (não tivemos fecundação) e a 2ª tentativa foi uma ICSi que resultou numa menina maravilhosa, que é hoje o nosso maior legado de vida.
Os custos são um entrave enorme e, num país onde o Presidente da República pede desesperadamente por mais nascimentos, a medicação deveria ter outro tipo de custo para o utente.
Não pode mos baixar os nossos braços, agora que o nosso problema está resolvido, com os nossos bebês nos braços.
Temos de ser solidários.

Carla disse...

Olá minha querida,
Eu também me sinto uma mulher com sorte. Fui muito bem tratada no Centro hospitalar de gaia e a minha Matildinha é o exemplo vivo que nunca devemos desistir apesar do preço dos medicamentos serem muito elevados.
Queria ainda te dar os parabéns pelo gesto tão nobre que tiveste.
Beijinhos,
Carla

Nina disse...

Ai, amiga! Comoveu-me tanto, este teu post!Não tens a sensação que ser mãe nos torna, ainda, mais sensíveis?...
Já há muito que me apercebi que há muita boa gente por aqui, mas também muitos parvalhões, que deixam comentários desnecessários, muitas vezes crueis (lembrei-me agora de um aqui deixado sobre as escovinhas dos teus filhos...lembras-te? Quanto me chateei, na altura!lol). Felizmente, não terá tido o condão de te deitar abaixo, o que acontece, certamente, com o tipo de comentários de que falas.
Como sabes, não sou infértil, mas tenho um grande respeito por este mundo que me deu a conhecer tantas histórias bonitas...tantas mulheres de garra...tantos Meninos de Ouro!
Custa-me aceitar que haja, ainda, tanta ignorância, mas é este o país em que vivemos.
Este casal de que falas teve a sorte de lhe ter aparecido um anjo bom pelo caminho, sem o qual a vinda da bebé não seria possível! Ainda há anjos bons...vês?:)
Gosto muito de ti!
Temos que nos encontrar, um dia destes, num parque, onde possamos conversar e deixar os putos brincar...sob a nossa vigilância de mamãs coruja!:)
Quanto ao meu projecto...huummm! Que curiosa! Lol! Claro que te vou contar (vê lá se descobres: são bichinhos..rastejantes...e mais não digo!)Shiuuuuu!

PRINCIPES DO MEU REINO ! disse...

Revi-me no que escreveste..
Indicaram-me um médico como "especialista" em casos de infertilidade.. lá fui.. fiz a histero que na altura me custou 60 contos para ele dizer ao meu marido que ele tinha tido um grande galo em encontrar-me, pois eu tinha o útero bicórneo e só muito dificilmente engravidaria..
Aconselhou-me uma operação..
Não satisfeita com o resultado e embora seja de Lisboa, meti-me a caminho do Porto para a Clinica do Prof. Alb. Barros..foi o melhor que fiz.
O Dr. Cristiano (médico que me acompanhou) disse-me que a operação era uma tolice, o pior que eu podia algum dia fazer e À segunda indução da ovulação engravidei dos meus filhos.
Soube há pouquissimo tempo que o meu marido foi ao outro médico na altura que engravidei chamar-lhe vigarista.

Quanto ao que fizeste por esse casal não tenho palavras.. foste uma pessoa formidável, mesmo!

Beijinho

carole resende disse...

Ola ! Ja leio o teu blog ha muito tempo e ja o li todo acho que ja comentei um ou duas vezes no maximo , mas não posso deixar de te dizer OBRIGADO por teres feito aquele casal feliz e lhe teres dado o maior sonho da vida deles São atutudes assim altruistas que nos mostram que afinal a raça humana ainda pode ter salavção , eu tambem ja lutei muito por um filho foram 14 anos de luta solitaria nem o meu mardido me apoiava mas ai engravidei mas Deus ainda achou que não tinha sofrido o suficiente e as 20 semanas fui aconselhada a interomper a gravidez , mas ai passado 7 meses do aborto ( o que são 7 meses comparados com 14 anos )fui Mãe de uma menina Chamada Victoria e que nasceu a 07-07-07 e agora o nº 7 e o meu nº da sorte . Agora ão ler o teu post fiquei tão comovida que as lagrimas rolam pela cara só de pensar que o que tu fizeste por esse casal não tem preço porque o que lhes deste não foi o vil metal que faz girar o mundo mas sim a dadiva da vida e essa não tem nem nunca tera preço e por isso te volto a dizer OBRIGADO .
Xau mil beijinhos para ti e para os Gemeos lindos .

Clara disse...

Já choro de te ler... e olha que já é raro soltar as lágrimas assim "à toa" (não que o seja, nota)

Sem muitas palavras, sem tanta sorte como a tua, mas penso como tu quanto ao público.

Um grande abraço por seres assim

Susana Pina disse...

Amiga, ninguém escreveria melhor.
É preciso abrir estas mentalidades que infelizmente ainda estão fechadas.
De facto existem muitas pessoas que têm salários minimos e trabalhos precários que a juntar às dividas da casa, carro, comida, etc. pouco ou mesmo nada sobra para tratamentos de infertilidade. Ainda hà poucos dias tive um comentário de uma menina que ganha 600,00€ mês e que teve que pagar na 1ª ida à farmácia 670,00€ de medicação, e é preciso que fique por aqui, porque como nós tão bem sabemos, não vamos só uma vez à farmácia em cada tentativa de tratamento.
Ainda há muito a fazer, e ultimamente tenho apercebido ainda mais disso.
Quanto ao exercício físico, pois amiga...não sei como aguentas, mas também convenhamos que estavas um pouco "enferrujada"...agora a coisa vai ao sítio e não tarda já nem suas...
Beijocas doces e obrigada por estares sempre presente
Susana

Susana Pina disse...

Amiga, só mais uma coisa: prepara-te que vais ter uma "afilhada". Fizes-te um casal feliz, e tens um coração de ouro.
Obrigada por seres assim.
Um bj enormeeeeeee
Susana

Grilinha disse...

Fiquei muito comovida.
Uma história muito bonita e pelos vistos com um final ainda mais feliz.

Essa realidade eu não conheço.
Mas conheço outras e acredita que quem passa por elas sabe o que o outro ser humano sente .
Se for gente de coração grande só não ajuda se não pode.
Ainda bem que ajudaste. Aquela menina deve a vida aos seus papás e a mais algumas pessoas muito queridas...
Beijinho comovido

Pensamentos e Cª disse...

Amiga,
Gostei muito do q li e a tua atitude é muito bonita. Eu tb acho q vais ganhar uma afilhada :-)
Quando é q cá vens?
Beijinhos grandes
Alexandra

Nostálgica disse...

Quanto ao teu regresso ao ginásio.. boa.. :) Faz sempre bem.. quanto ao gesto que descreves em último lugar, penso que o casal te estará eternamente grato...

um beijinho.

Raio de Sol disse...

minha querida, que prenda maravilhosa... sem palavras...

o meu maior receio é esse, não posso ir ao privado, está fora de questão, no publico, será muito difícil também, tenho medo que não resulte á primeira, que o € não chegue para a medicação, tenho medo da espera infindável sem sucesso...

beijokas

Piolha disse...

quem me dera andar toda partidinha, como tu!!! lol... ainda estou na fase de me conseguir desprender umas horinhas do pedro sem remorsos... já tentei e desisti, infelizmente... :(

jinhos (já tenho no blog o que pediste!)

Sónia e MI disse...

Arrepiei-me toda a ler este post e com o final feliz de mais um tratamento.
Exitem episódios e relatos menos felizes pela blogosfera de pessoas que se tornaram queridas e como família para nós, mas quero acreditar que o dia POSITIVO chegará a todas, devagar, mas chegará!

beijinhos férteis.

Algodão Doce disse...

Olá,
Leio-te sempre, mas não costumo comentar. Mas hoje não podia deixar de o fazer.

Parabéns pelo teu gesto e humanidade. Se houvesse mais pessoas como tu, de certeza que tudo seria mais fácil. Filhos, meu Deus, não saberia viver sem eles!

Mais uma vez parabéns e beijinhos.
Lola

R&L disse...

Bem... estou arrepiada e também eu te agradeço pela atitude da oferta...
Eu também, como tu me sinto privilegiada, mas fui mesmo para o privado. Paguei um balurdio sim, mas não me arrependo de nada. Até porque assim, de uma forma ou de outra contribui para não "empatar" nas listas de espera e dar a minha vez a alguém que precisou de verdade... ou não mas prefiro pensar que sim!
De qualquer forma, concordo que este sistema é vergonhoso, mas como tu dizes e bem, é a vida!

Beijos 4x4

Lita disse...

Amiga
foste o anjo, que permitiu a esse casal, a benção da gravidez! Acredito que existam muitas pessoas capazes de ajudar o próximo em momentos difíceis mas, acredito também que, o facto de teres passado pelo mesmo te permitiu ter empatia e sensibilidade, com a situação deles!
Que a vida te dê a recompensa (já deu 2 recompensas lindas, não é?)pelo teu gesto!

Eu também me considero uma previligiada! Infelizmente ainda não consegui o filho que tanto desejo mas, tive a sorte de ser encaminhada, pela minha ginecologista, para um hospital com bons profissionais (H Gaia), onde faço 2 ICSI's por ano, onde já fiz 4 e me vão permitir a 5 ICSI (pq acharam que tendo havido gravidez na 4.ª, valia a pena não desistir de nós!), onde apesar de todas as demoras e às vezes, alguma impessoalidade no atendimento, lidamos com profissionais que se interessam e não vêem em nós, casais infertéis, oportunidades de negócio! O nosso sucesso, também é o sucesso da unidade onde trabalham! Por isto tudo, considero que apesar das dificuldades e de tantas decepções, temos tido muita sorte no nosso percurso!
Um beijinho muito grande
Lita

Anna72 disse...

Há ainda muitas coisas "estranhas" no mundo da medicina. Felizmente, também há profissionais competentes e interessados que dignificam a bata que envergam.

Parabéns pelo teu gesto. Se não tivesses dado a mão a esse casal, a sua história seria muito diferente.

Quanto às dores, pensa positivo, só custa no início ;)

Beijocas

Luna disse...

Bonito o gesto pretendes fazer, estou orgulhosa de ti
tb acho mto estranho raio da lei não sair cá para fora, tb desconfio que alguém a trancar.la
falas-te mto bem sim senhor
bjinhos nossos

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Li este post hoje de manhazinha mas nao tinha conseguido comentar. Incrivel que para atingir sonhos tao pessoais por vezes parece que tudo é tao dificil. E nem sempre é evidente para todos serem atendidos como merecem ou terem os recursos...

E os franceses nem sempre se dao conta da sorte que têm na sua seguranca social, que lhes paga qualquer coisinha...

Bem haja!

Muita coragem e força para ti!

Beijo meu ♥,

A Elite